GD entrevista: Eduardo Pires

11:26 Victor Collares 0 Comments

(Foto: Drica Donato)

Dando vida ao professor Vicente, um dos personagens mais queridos pelo público da versão brasileira da novela Rebelde, Eduardo Pìres já pode se orgulhar do trajetória que tem no mundo artistico! Novelas como o remake de Sinhá Moça e o grande sucesso da TV Record, Luz do Sol, são alguns dos grandes trabalhos presentes no currículo do ator! O GD teve o prazer de entrevistá-lo, conheça um pouco mais de Eduardo Pires!


Garotos Descolados: Você já atuou em grandes novelas, mas antes disso como a profissão de ator entrou na sua vida?
Eduardo Pires: Atuei em Começar de novo (Rede Globo), em Sinha Moça (Rede Globo), em Luz do Sol (Rede Record) e agora, em Rebelde (Rede Record). Eu estava no cursinho pré-vestibular, tentando ingressar no curso de arquitetura. Como não era essa, exatamente, a profissão que eu queria exercer, não tinha motivação para estudar. Percebi que não ia passar para faculdade alguma. Foi quando me lembrei que umas colegas minhas de colégio - que faziam teatro - me disseram que eu tinha talento para a coisa, pois tinham me visto imitar os professores. Resolvi me inscrever em um curso. Me encontrei e não parei mais de estudar e trabalhar na área.

GD: Você é formado pela CAL (Casa de Artes das Laranjeiras) como foi a experiência de estudar em um local referência no mundo da atuação?
EP: Foi um mergulho para dentro da minha alma... Foi incrível!


GD: Como foi estrear na TV fazendo a personagem Abel, de Começar de Novo?
EP: Abel foi uma experiência maravilhosa - um presente de Deus! A personagem era neto de Eva Wilma, filho de Natália do Vale, de Werner Schünemann e irmão de Vladimir Brichta. Não preciso mais falar nada, não acha?

GD: Assim como muitos outros atores e atrizes você teve a oportunidade de participar da novela adolescente Malhação, atuar em uma novela que fala para os jovens é mais fácil?
EP: Não acho que seja mais fácil ou mais difícil... É apenas, diferente. Acho que o que aumenta é a responsabilidade na hora de lidar com adolescentes, já que se trata de pessoas que ainda estão formando suas personalidades. É... De repente, seja um pouco mais difícil... Sei lá... De qualquer forma, isso depende da pessoa que escreve a novela.

GD: Como foi fazer parte do elenco do Remake de Sinhá Moça?
EP: Fazer parte do mesmo elenco que Othon Bastos, Osmar Prado e Chico Anysio também dispensa comentários. 

GD: Sua estreia na Rede Record foi na novela Luz do Sol, novela de grande IBOPE na emissora e que tratava de assuntos polêmicos como por exemplo a pedofilía, como você se preparou para interpretar esse personagem?
EP: Procurei uma nutricionista e comecei a correr na praia para ficar bem definido e bronzeado (bronzeado na medida do possível, rsrs...), já que eu ia fazer um pescador. Na época, cheguei a perder 5 kg.

GD: Você está atualmente dando vida ao professor Vicente na versão brasileira de Rebelde, novela que teve grande audiência na versão mexicana! Como tudo começou? Assistiu a versão original?
EP: Não assisti a versão original. O caso foi o seguinte: bati na porta da Record, pedindo emprego. Graças a Deus, eles me ofereceram o Vicente! rsrs...

GD: Vicente tem uma interação muito grande com os alunos, que passa de apenas aluno e professor, para uma relação de amizade. Na vida real, até onde essa amizade pode ir?
EP: Pode ir até onde começa o limite do outro (esse limite é individual, singular), até onde a lei permite ou nos permite o bom senso.

GD: O par romântico de Vicente é a Becky, interpretada pela atriz Lana Rodes. Você tem uma boa interação?
EP: Lana e eu temos muita química tanto na arte, quanto na vida como amigos! Adoro a Lana! Quando nos encontramos, é muito divertido!

GD: O casal de personagens já passou por muitas coisas em relação ao amor, e na vida real, você já passou por algo que o Vicente tenha passado?
EP: Não... Acho que não. rsrs...

GD: Falando agora em relação a sua atuação no cinema, o Filme "Cazuza - O Tempo Não Para" foi uma das grandes bilheterias nacionais e um filme brilhante e de bom gosto! Como foi participar da versão para o cinema da biografia de um dos maiores cantores da música nacional?
EP: Foi muito emocionante: um sonho fazer parte da galera do Cazuza na ficção! Foi meu primeiro trabalho de grande alcance de mídia e público.

GD: E sobre o filme "Um Domingo Para Dois Amores"?
EP: Muito legal - uma grande experiência vivida por todos: atores, diretor e equipe técnica. Todos éramos recém-formados ou estudantes.

GD: No teatro você fez parte do elenco de "O Ateneu" sob direção de Leonardo Brício e Gaspar FIlho. O quão importante foi pra você encenar esse texto?
EP: Leo e Gaspar me ensinaram muito! Também aprendi muito tendo que lidar com 42 atores (40 garotos, uma menina e uma mulher) dentro e fora de cena! 

GD: E em relação a "Momentos – Beijos de Nelson Rodrigues" de Nelson Rodrigues Filho?
EP: Nelson Rodrigues é sempre Nelson Rodrigues... Principalmente, adaptado e dirigido por Nelson Rodrigues Filho.

GD: Falando um pouco do Eduardo fora do mundo artístico, nas horas vagas o que você gosta de fazer?
EP: Gosto de ler, de ir ao teatro, de ir ao cinema, de jantar fora...

GD: Pratica algum esporte?
EP: Corro e ando de bicicleta.

GD: Quias as suas bandas ou cantores (as) favoritos?
EP: Elis Regina, Caetano Veloso e muitos outros.

GD: Se eu pedisse para dividir o Ipod com você, o que posivelmente estaria tocando?
EP: Esses que citei acima.

GD: Já fez alguma viagem que considerasse inesquecível?
EP: Buenos Aires.

GD: Na hora de se vestir, qual a peça que não pode faltar no seu armário e qual aquela que você não empresta de forma alguma?
EP: Calça jeans não pode faltar. Não empresto minhas cuecas.

GD: Se você pudesse agradecer a cada pessoa que te admira e acomapnha a sua carreira, o que diria?
EP: Muito obrigado! Que Deus abençoe a todos vocês!

GD: Foi um prazer entrevistá-lo Eduardo, muito Obrigado! 
EP: De nada! Um grande abraço!



0 comentários :

Tecnologia do Blogger.