GD Entrevista: Gui Inácio

12:28 Victor Collares 0 Comments


Talento, profissionalismo e competência! Essas são algumas das muitas qualidades que o nosso entrevistado de hoje possui! Bem novo ele foi para um outro país, iniciou sua vida como modelo, profissão que até então passava longe de sua cabeça e hoje é apresentador de um grande canal voltado para o mundo do cinema o TNT! Sem dúvidas essa é uma das mais sensacionais e prazerosas entrevista que já fiz! O Garotos Descolados hoje, entrevista o apresentador Gui Inácio!


Garotos Descolados: Você seu mudou para os EUA muito jovem, com apenas 13 anos. Você ainda era uma criança, como foi se adaptar? sentiu muita falta de tudo aqui no Brasil?
Gui Inácio: Ainda era uma criança. A empolgação foi gigante pois já conhecia a Disney e achava que ia ser tudo de bom. Mas quando começaram as aulas, sem conhecer ninguém, não dominar o idioma, e dar de cara com uma cultura completamente diferente, foi muito tenso! Lembro de voltar chorando para casa e falar pro meu pai que queria voltar pro Brasil.

GD: Como foi sua adolescência?
GI: Minha adolescência foi uma montanha russa! Tenho um irmão mais velho que eu pentelhava demais e por causa da diferença de idade não eramos muito próximos. Meus pais viajavam muito, Estados Unidos - Brasil, então grande parte da minha adolecencia estava comigo mesmo. Encontrei conforto nas paqueras. Fazia um leve sucesso com as americanas. (risos)

GD: Aos 17 anos você iniciou a sua carreira como modelo, como surgiu o interesse pela profissão?
GI: Na verdade, depois de ouvir bastante aquele "Você é tao bonitinho e deveria ser modelo"' fui a uma agência indicado pela namorada de um amigo do meu irmão. Lá tudo começou... nunca nem tinha pensado ou sonhado com esse tipo de profissão. 

GD: Em relação ao trabalho como modelo, o mercado americano para modelos masculinos é mais exigente que o brasileiro?
GI: Não sei. Acho que os mercados são igualmente exigentes em todos os países. 

GD: Tem algum trabalho que tenha gostado mais de fazer, um desfile ou um editrial?
GI: Todos foram especiais por si próprios. Obviamente cada um me proporcionou um aprendizado diferente mas confesso que na época, ter desfilado no Sao Paulo Fashion Week quando vim de férias ao Brasil foi uma experiência bem interessante.

GD: Comerciais, figuração, uma fala ou outra, o inicio da carreira de qualquer ator é difícil! Quando decidiu que essa era a profissão que queria seguir? E você lembra como foram seus primeiros trabalhos?
GI: Não poderia dizer que de qualquer ator pois cada um tem sua historia, mas eu, fiz tudo isso!!! As coisas foram fluindo com o tempo e mesmo com os obstáculos que enfrentei, sentia muito estar no caminho certo. Eu estava fazendo faculdade na época e foi num momento crucial, terminar ela ou me mudar pra Los Angeles... Coloquei tudo que podia dentro do meu carro, e dirigi para Hollywood pela primeira vez. Eu lembro de todos os trabalhos! Cada um marcou um momento especifico na minha jornada. 

GD: O que Scott Schutzman representa pra você e para a sua carriera? 
GI: Tudo! Ele foi fundamental na minha transição de modelo para ator. Com ele aprendi o que era interpretar... A arte de viver verdadeiramente sob circunstancias imagináveis. (Meisner - "Acting is the art of living truthfully under imaginary circumstances.")

GD: Você trabalhou em séries da TV americana e em filmes, como foi a experiencia? Conte-nos um pouco sobre eles!
GI: As primeiras experiências foram de total deslumbre. Eu ainda não pertencia aquele mundo então tentei absorver o máximo possível mesmo nem sabendo direito o que deveria ou não absorver. Ficava observando o comportamento de todo mundo, ainda me sentindo um peixe fora d'água. Nenhum treinamento, aula, ou workshop pode te preparar para essas primeiras experiências. Com o tempo, obviamente comecei a me sentir não só mais confiante mas completamente certo de estar no ramo que deveria estar.

GD: "Negócio da China" e "A Favorita" foram alguns de seus trabalhos na televisão brasileira, aposto que foi uma grande experiência trabalhar com feras como Miguel Falabella e João Emanuel Carneiro! 
GI: Preciso ser honesto e de maneira alguma digo isso menosprezando ninguém, mas como toda minha referência era do exterior até essas oportunidades aparecerem, eu precisei fazer uma lição de casa, que aliás ainda faço e preciso fazer, para poder saber com quem estou trabalhando quando estou no Brasil. Então não houve um deslumbre, mas claro fiquei lisonjeado em poder participar de duas produções com tal nivel de talento. O bacana é que a minha experiência no exterior me preparou bem para estar pronto pro que der e vier!

GD: Voltando a falar do mercado americano, você já está escalado para atuar em 3 filmes. Pode adiantar algo para a gente, sei lá, com que diretor vai trabalhar ou colegas de elenco? (risos)
GI: Na verdade esses filmes serão co-produções Brasil/Estados Unidos. O diretor eh Roberto Jabor, um grande amigo e excelente profissional. O conheci no Brasil quando fiz um teste para um projeto que acabou não dando em nada. Passou-se o tempo, um ano talvez e enquanto fuçando e fazendo minha lição de casa, descobri que ele estaria envolvido em outro longa. Fui atrás, consegui o contato dele, fui cara de pau pedindo para testar e olha que coisa, ele lembrou do primeiro teste que eu tinha feito e tinha gostado do meu trabalho. Desde então mantivemos contato, ja trabalhamos juntos em um curta e espero ancioso para começarmos a desenvolver o primeiro longa dos três.

GD: Você é apresentador de dois programas do grande canal TNT "TNT Movie Club" e "Amo Cinema" que são voltados para o mercado brasileiro. O público do Brasil foi muito receptivo ao programa? Como está sendo trabalhar neles?
GI: Eu não conhecia os programas por morar fora então não tinha conhecimento da repercusão que tinha. Até onde sei o público é receptivo por que recebo bastante carinho dos fãs, porém, sempre existem criticas. Mas vejo que a maior dificuldade que enfrentamos é pelo formato do programa ser americano, por mais que seja direcionado ao Brasil. Aqui nos Estados Unidos existem programas iguais os quais são muito bem recebidos pelo publico. Trabalhar neles esta sendo maravilhoso! Eu tenho a grandiosa oportunidade de compartilhar com o publico, a minha paixão pelo cinema. Quer coisa melhor?

GD: Camila Quaresma é sua companheira de trabalho no programa "TNT Movie Club" essa parceria vai além do trabalho, vocês tem uma amizade?
GI: Na verdade nos já até tinhamos amigos em comum, então ao saber que iriamos trabalhar juntos, tudo fluiu muito bem. Então sem dúvida desenvolvemos uma amizade. Aprendi muito com ela e ela foi muito dez comigo me dando vários toques de como tudo funcionava. E tenho certeza que é nossa quimica que faz o programa estar sendo tão bem recebido pelo publico inclusive ganhando patrocinadores novos a cada temporada.

GD: Como anda o mercado cinematografico americano atual? Ele sofreu um pouco com a crise economica mundial e com a greve dos roteiristas, e agora conseguiu se reerguer?
GI: Realmente com a greve dos roteiristas um tempo atrás o mercado foi afetado mas acho que já se reergueo sim. E a crise econômica afeta obviamente mas o público ainda demanda entretenimento então, tudo acaba se adaptando. E como é dito; "The show must go on!"

GD: Como você vê o cinema brasileiro?
GI: Eu tento acompanhar de perto e vejo um crescimento muito positivo. Inúmeras produções estão recebendo o reconhecimento merecido porém sabemos que ainda tem muito o que evoluir. Tento prestigiar os festivais de cinema Brasileiro em Miami e em Los Angeles e agora que estou mais presente no Brasil, pretendo prestigiar os festivais nacionais e o talento brasileiro para ficar ainda mais por dentro do que esta rolando.

GD: Não posso deixar de comentar que atualmente você é considerado pelos twitteiros como um dos caras mais sexys do ano! Até onde isso é bom, e até onde isso pode ser ruim tanto para vocês na vida pessoal quanto na profissional?
GI: É mesmo?! Não to sabendo disso não... Fico lisonjeado. Eu acho que isso é bom atá onde eu possa usar essa exposição para algum bem maior que o meu próprio, e que na medida que isso afete ou mude meu comportamento ou valores, ai é ruim. 

GD: Agora vamos falar um pouco do Gui inácio fora da televisão, do Gui Inácio no dia-a-dia. O que você faz nas horas livres?
GI: Esse cara é uma figura! Ouve vozes, bate altos papos com elas, quase sempre de bom humor, tudo está bom, e o que não esta vai ficar, se esta difícil, tenta se lembrar que poderia ser pior e que tudo tem uma razão maior para ser como é! Como estou sempre viajando tenho uma rotina diferente em cada lugar mas o denominador comum a todos é ir a academia todos os dias pelo menos por uma hora, passou da fase de ser por vaidade, hoje meu treino é minha terapia. Quando não estou assistindo um filme ou seriado, estou desenvolvendo ideias paralelas de trabalho. Não acredito em religião mas sou adepto a filosofia espirita. Acredito no Universo e seu poder, acredito em todos os dias fortalecer a mim e todos que estão a minha volta de energias positivas e luto com unhas e dentes contra todas as energias negativas. 

GD: Você é o tipo do cara que curte uma praia com os amigos ou uma trilha?
GI: Curto uma praia sempre que possível e tenha certeza que estarei jogando frescobol.

GD: Quais são seus cantores (as) ou bandas preferidos?
GI: Eu tenho um gosto bem eclético mas Hip Hop pra mim manda. Presto muita atenção nas letras e na profundidade delas então para falar um, falaria DMX.

GD: Se eu pedisse para dividir o Ipod com você o que possivelmente estaria tocando?
GI: Perigoso por ter esse gosto eclético. Entao pode variar do proprio DMX para uma musica clássica, ou de um funk para Drake, ou até um Jorge Aragao...

GD: Você é muito vaidoso! Considere como uma afirmação e ao mesmo tempo uma pergunta! (risos)
GI: Hoje já não tanto por incrivel que pareça, já fui muito mais. E engracado isso porque deveria ser mais hoje do que no passado por estar muito mais exposto. Com o passar dos anos adquiri uma maturidade e auto-confianca que vai além do que se enxerga com os olhos. 

GD: Já fez alguma viagem que considere inesquecível?
GI: A ja. (risos) Quem estava lembra!

GD: Na hora de se vestir, qual peça não pode faltar no seu armário e qual aquela que vocênão empresta de forma alguma?
GI: Cueca. Cueca. 

GD: Se considera um cara romântico?
GI: Muito!

GD: Seu vídeo de "Ai se eu te pego" mostra de você uma pessoa alegre, brincalhona e descontraído! Você é assim desde a infância?
GI: Completamente. E prova disso é um vídeo de familia que me mandaram e ri muito com ele. Esse video ratifica que estou na carreira certa. http://www.youtube.com/watch?v=5NfaoUn6HXo Eu sou o de amarelo mas acho que isso não precisava dizer... (risos)

GD: Saiba que o vídeo fez sucesso! (risos)
GI: E a verdade seja dita, surgiu de um pedido de uma fã na minha pagina no facebook. Eu nem sabia do que se tratava... Foi tudo uma brincadeira e deu no que deu... impressionante!

GD: Quais seus projetos para o futuro, tanto no Brasil quanto no exterior?
GI: Dar vida aos personagens que já estão na minha mente!

GD: Muito obrigado pela entrevista Gui, foi um grande prazer tê-la feito! Sucesso!
GI: Eu que agradeçoo a oportunidade de compartilhar um pouco mais da minha historia. Revivi momentos muito especiais respondendo essas perguntas. Sucesso para todos nós!


Confira abaixo um pouco do trabalho de Gui Inácio:





0 comentários :

Tecnologia do Blogger.