Instagram X Povo: Polêmica gerada pelas novas políticas de privacidade do Instagram não passaram de um engano.

01:04 Victor Collares 1 Comments

*Por Gabriel Velasco

Nesta segunda-feira 17 de dezembro o Instagram publicou em seu blog oficial, e através de um banner na página dos usuários a informação de que haveria mudanças no Termos de Serviço e Política de Privacidade. Entrariam em vigor no dia 16 de janeiro próximo. 
Dentre elas que o Instagram poderia dispor de uma licença de uso mundial totalmente paga, livre de royalties, transferível e sub-licenciável para usar o conteúdo postado na rede. Em segundo que, “para nos ajudar a fornecer o conteúdo pago, patrocinado ou promoções, você concorda que empresas ou outras entidades podem nos pagar para exibir o seu nome, imagem, fotos (juntamente com todos os metadados associados), e/ou ações que você faz em relação ao conteúdo pago, patrocinado ou promoções, sem qualquer compensação pra você.” PRONTO! Começou um alarde de todos os hipsters do mundo reclamando do Instagram e postando fotos do dedo do meio para Zuckerberg e principalmente “xingaram muito no twitter”. 

(Foto: Instagram/bielbear)

Acho que essas pessoas, que já estão no facebook, apenas nunca leram nenhum termo de compromisso na internet, não é? Vou usar como exemplo um trecho do que consta na Política de Uso de Dados do Facebook: 

“Outras informações que recebemos sobre você
(...) 
Recebemos dados sobre você sempre que interage com o Facebook, como quando você olha a linha do tempo de outra pessoa, envia ou recebe mensagens, procura um amigo ou uma página, clica em, visualiza ou interage de outra forma com as coisas, usa um aplicativo móvel do Facebook, compra Créditos do Facebook ou faz outras compras pelo Facebook. 
Quando você publica algo como fotos ou vídeos no Facebook, podemos receber dados (ou metadados) adicionais relacionados, como hora, data e local em que a foto ou o vídeo foram gravados. 
Nós recebemos dados do computador, do telefone celular ou outros dispositivos que você usa para acessar o Facebook, (...), podemos obter sua localização no GPS ou outras informações de localização para que possamos informar se algum de seus amigos está próximo de você. 
Recebemos dados sempre que você visita um jogo, aplicativo ou site que usa a Plataforma do Facebook ou visita um site com um recurso do Facebook (...). Isso pode incluir a data e a hora que você visita o site; o endereço da Web ou URL em que você está; informações técnicas sobre o endereço IP, navegador e o sistema operacional usados; e, se estiver conectado ao Facebook, seu número de identificação de usuário...”. 

Tá acompanhando? Não... OK, vamos lá. O Facebook fez um comunicado nesta terça dia 18, garantindo que as mudanças não querem provocar a venda das fotos, mas apenas que as imagens poderão ser utilizadas comercialmente. Deixando claro que o Instagram não vai se tornar uma indústria de venda de fotos. Kevin Systrom, cofundador do Instagram, afirmou que os usuários "são donos de seu conteúdo e o Instagram não quer nenhum direito sobre as fotos" e completou "É fácil interpretar errado documentos jurídicos”. 

(Foto: Instagram/collaresvictor)

O que os desenvolvedores do Instagram querem é ter a possibilidade usar seus dados para desenvolver campanhas de propaganda mais eficientes, é daí que vem o lucro deles, não do roubo de propriedade artística de ninguém! Todas as redes sociais, navegadores, programas on-line, fazem isso... Coletam dados, e enviam-lhes para seus patrocinadores. "A publicidade é uma das diversas maneiras que podem tornar o Instagram um negócio autossustentável, porém não é a única. Nossa intenção ao atualizar os termos (de serviço) era comunicar que gostaríamos de experimentar com publicidade inovadora que pareça apropriada ao Instagram. No entanto, foi interpretado por muitos que iríamos vender suas fotos a outros sem qualquer compensação. Isso não é verdade e foi um erro nosso que a linguagem tenha ficado confusa. Para ser claros: não é nossa intenção vender suas fotos. Estamos trabalhando na atualização da linguagem dos termos para ter certeza de que isso fique claro" disse ainda Kevin. 

Ficam algumas dicas: 

1) Antes de sair clicando na caixinha do ACEITO, leia para não ter surpresas, e vá se acostumando ao vocabulário jurídico. E não saia por aí gritando “ahh fim do mundo!” sem antes ter certeza. 

2) Quando você usa um serviço, você aceita o termo de compromisso, se não aceita, você não pode usar o serviço. Não se iluda achando que depois você vai poder “contestar”. 

3) Ouvi muita gente dizendo que infringia leis brasileiras, se não temos nem um código que regulamente crimes digitais, ainda, imagine só... 

4) Se você é artista profissional, muito cuidado ao publicar suas obras na internet sem registro, não apenas os ‘sites’ mas tecnicamente qualquer um pode roubar sua obra e os processos de retomada de registro/patente são super complicados. 

A quem apagou o Instagram, uma pena, a plataforma tá crescendo e tem o futuro cada vez mais promissor. A quem não deletou... Segue a galera dos descolados lá: @collaresvictor, @BielBear, @Reesanz e @felipecoasth.  


Beijos Bielbear!!!


Um comentário :

  1. SEGUINDO TODOS VCS NO INSTAGRAM O/ o meu é @edurii
    olhem meu blog: filmescomcappuccino.blogspot.com
    O que acham? *-*

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.