Livros, a paixão por um mundo novo entre letras e parágrafos.

18:43 Victor Collares 2 Comments

Eu sou um cara que sempre gostou de ler. Mas sou daqueles leitores que não lê forçado, mas sim em épocas. Na verdade a palavra certa seria, vibes, por que não é todo o momento que eu estou pra ficar lendo ou procurando saber qual livro está em alta, ainda mais se na época estiver algum Best-Seller na cansativa "modinha" ai pode crer que eu nem toco em um exemplar desse livro. Eu gosto muito do mundo que cada página que meus olhos percorrem me leva. Gosto de sentir vida entre letras, sentimentos entres palavras, gosto de viver o improvável por algumas horas antes de voltar pra esse terrível mundo real. Sempre que começo um eu logo devoro uns 5 ou 6 livros seguidos como se não houvesse amanhã.


Desde criança, na época da escola me forçavam a ler, e sempre aqueles livros penosos e chatos de autores sem noção brasileiros. Digo em relação a esses mais novos que sempre escrevem a história de um menino que se apaixona por uma lagarta do pé de goiaba e vive feliz para sempre. PÉ NO SACO DEFINE. Mas eu Victor, desde pequeno sempre fui fã dos livros grandes, sim aqueles que tem mais de 500 páginas e temas que nem todos teriam capacidade de entender. Já li "A Divina Comédia", "O Dia D", "Chatô" e por ai vai, todos livros gigantescos. Mas sabe, isso me fascina pelo fato de me prender, quero saber como é cada personagem, como acaba, me prende, me domina, me consome. Nunca gostei desses livros para preguiçosos com 210 páginas sendo 40 de figuras e letras grandes. 

Ler é algo sublime, algo prazeroso, algo que é muito individual. Repare que ao pegar um livro você sempre vai parar em um canto da sua casa ou do lugar em que você vive, em específico. Sempre um local calmo e bem arejado, onde você se sinta confortável e que te deixe com a mente aberta e leve, para que a história te leve para aquele mundo composto de letras e pontuações onde tudo é possível e seus sonhos sempre vão se realizar. Percebi isso enquanto lia o livro "O Código D'Vinci" do autor Dan Brown. Não conseguia parar de ler, afinal falava do meu assunto preferido de toda a vida, a Maçonaria. Mas isso já é assunto para outra matéria.

Viu como os livros são ótimos, até falar deles é bom por que me fez lembrar de um feito da qual me orgulho muito. Logo que o último livro da saga Harry Potter foi lançado aqui no Brasil (dia e ano eu não me recordo mas foi em um mês de novembro) eu cheguei em casa e minha mãe já havia pego o livro na livraria na qual fiz a pré-venda. Nesse dia eu comecei a ler as 21:00 horas o final daquela que seria a maior saga da história literária, e com toda aquela emoção eu não conseguia parar, fui lendo e lendo e lendo e quando eu vi já eram 06:10 da manhã e eu precisava ir para a escola ás 07:30. Quando o relógio marcou 06:25 da manhã eu havia lido a última frase e fechado o livro. Li "Harry Potter e as Relíquias da Morte" em apenas 1 noite, li todo o livro em exatas 9 horas. Cheguei no colégio e como bom garoto que sou, soltei spoiler para todo mundo (risos), mas é claro, sem contar que Harry ficava vivo. Puuuutz, não leu o livro ou não viu os filmes? Xii agora eu contei, SEU POSER ATRASADO. (risos)

Não sei mas sou muito do tipo International Reader. Sempre achei os escritores brazucas meio malas, ainda mais aqueles clássicos. Só que minha vida não seria nada sem livro como "A Viuvinha", "Senhora", "O Subterrâneo do Morro do Castelo", "Dom Casmurro" ou "Vidas Secas". Livros que realmente me deram motivos para ter mais simpatia com clássicos, por que não me cansavam com suas repetências e exageros linguísticos. Mesmo sendo um livro bem fino e com pouco mais de 80 páginas, "A Viuvinha" é o meu conto preferido dentre esses milhares de clássicos que nobres cavalheiros escreveram enquanto lutavam por um país, enquanto lutavam pelo Brasil.



Hoje tenho que dizer que muitos livros moram nas estantes da minha casa. Óbvio que não lidos por que ali, existem livros da época que meus avós (já falecidos) estudavam ou liam em sua juventude, mas muitos deles já me consumiram por inteiro. Tem livros lá que eu confesso quase tive uma relação sexual com ele de tanto prazer que me dava devorar cala página, cada capítulo. Por exemplo, séries como "O Senhor do Anéis" ou "As Crônicas de Spiderwick" simplesmente me levavam a um verdadeiro orgasmo literário de tanto que eu tinha prazer em ler, em saber como iria ser o fim da saga....ai gente vocês entenderam. Esse mês de janeiro de 2013 eu fui meio doido e acabei comprando 19 livros e todos com mais de 500 páginas. Dentre eles, "Gentleman" do escritor Klas Östergeen, "Morte Súbita" da escritora J.K Rowling (criadora da saga Harry Potter) e "A Milésima Segunda Noite" do escritor Fausto Wolff.

Eu poderia ficar aqui falando por horas e dias sobre livros, sobre meus preferidos, sobre os que eu não gostei, mas seria bem sacal não é mesmo? Então, eu hoje estou terminando de ler a trilogia "50 Tons de Cinza" que eu resisti muito por conta da "modinha" mas não aguentei e li. Sem dúvidas digo que quebrei a cara, pois é muito bom. A história do viciado em sexo Christian Gray realmente te prende. Vale a pena comprar e devorar o livro.

Tarde chuvosa hoje no Rio de Janeiro, friozinho gostoso, bom pra ler! Que tal terminar de ler esta matéria e olhar pra sua estante e pegar o livro que for e ler um pouco. Viaje um pouco para o imaginário, para um mundo de sonhos e quem sabe, essa viagem que transcende o real, não te ajude a transformar esses sonhos em realidade.

Até mais GD's!!!

2 comentários :

  1. Post perfeito. Adorei cara, ler é muito bom <3
    Tenho um romance diário com meus livros. Namorados eternos, HEUHEUHEHEUHUE
    Muita luz e muita paz para ti, abraço!

    Ewerton Lenildo - @Papeldeumlivro
    papeldeumlivro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Own obrigado amigo! Nossa meus livros são minha vida! <3

      Excluir

Tecnologia do Blogger.