Precisamos falar de Chester Bennington e a depressão.

16:42 Victor Collares 1 Comments



"20 de julho de 2017 - 10:00 da manhã

Recebi um link de uma amiga dizendo que Chester Bennington (vocalista do Linkin Park) havia sido encontrado morto com sinais de suicídio e na hora meu coração parou, só podia ser mentira, logo ele, logo o Chester, 1 mês depois do suicídio do seu melhor amigo Chris Cornell, coincidência ou não, foi no exato dia do aniversário do seu amigo que ele decidiu tirar a própria vida. Toda vez que alguém que eu admiro morre eu sinto como se perdesse uma pessoa próxima, como se eu perdesse um pedaço de mim, ainda mais quando essa pessoa “me acompanhou” desde a minha adolescência. 

Eu sempre tive problemas com depressão, ansiedade e inúmeras vezes tive pensamentos suicidas, a morte do Chester foi muito significativa pra mim, ele era um cara que eu admirava, respeitava, as músicas dele eram e ainda são músicas de libertação, salvação, um grito, literalmente um grito de socorro que aliviavam minha alma. Sempre cantei todas as música como se aquilo fosse tirar de mim todas as minhas dúvidas, medos e frustrações. 

O artista ele canta o que ele sente, o que ele vive e o Chester nunca negou a doença dele, sempre deixando isso muito claro nas suas letras, mas ainda assim eram sempre um sopro de esperança. Mas talvez fosse mais um sopro de esperança ou alívio para ele do que para nós que estávamos ali ouvindo, talvez ele quisesse apenas salvar outras pessoas já que ele não estava conseguindo salvar a si próprio. 


Kurt Cobain, foi minha primeira referência no rock, meu primeiro contato com letras mais profundas, minha primeira referência no sentido de começar a entender um pouco o que era a depressão, de entender um pouco o que era essa tristeza que tomava conta de mim, esses caras fizeram eu me sentir menos sozinha. Claro que quando comecei a ouvir nirvana o Kurt já havia morrido, por isso a morte do Chester foi tão pesada pra mim, foi como se eu tivesse levado um soco no estômago. Eu cresci ouvindo aquelas músicas, e eu ouvia aquilo e fazia tanto sentido para mim que eu não me sentia mais tão sozinha, porque eu percebia que não só ele, mas outras pessoas também sentiam esse "treco", se identificavam e aquilo de alguma forma também era importante para elas. 

Eu venho tratando essa doença já tem algum tempo e ver que uma pessoa simplesmente não suportou me faz questionar muita coisa na vida. Se o cara era tão foda, tinha uma família linda, 6 filhos, uma esposa, uma carreira de sucesso, pessoas em volta dele, amigos... se ele não suportou como eu que não tenho nada disso vou suportar? 

Eu sempre me questionei muito sobre isso, de onde eu vou tirar forças pra continuar aqui nesse plano? Ai eu penso na minha família, penso que eles não merecem passar por isso, lembro que eu estou me tratando e que talvez eu tenho forças para lutar um pouco mais. E eu tenho. É preciso muita coragem para você desistir de lutar, para você desistir de tentar, você desistir da sua vida. Muita gente acha que suicídio é egoísmo, e não é. É que às vezes as coisas pesam de uma forma que a gente acha que ninguém mais vai poder ajudar, e isso começa a afetar nossas relações com amigos, com a família, e aquele peso que era só seu passa a ser um peso de várias outras pessoas. 

O suicídio é perigoso por que você nunca sabe quando ele vai acontecer. A gente nunca sabe o que faz aquela pessoa levantar todos os dias para ir trabalhar, pra ir viver, a gente nunca sabe, tem dias que a gente não consegue ter aquele "wakeup" da cama, aí esse peso vai ficando maior e te sufocando, até que você não aguenta mais, e resolve se libertar. 


O suicida ele dá muitos sinais, ele começa a se despedir de coisas, de pessoas, mas é sempre muito sutil, se você não estiver atento, não vai perceber. A pessoa com depressão - que é ou não um suicida em potencial - não quer muito de você, só quer atenção, carinho, uma pessoa que não julgue, que não zombe, que esteja ali do lado para dar um abraço, para oferecer um ombro, pra ficar em silêncio só ali do lado. O depressivo precisa de atenção, carinho, amigos que sejam amigos mesmo, que se preocupem de verdade, que visitem, que abracem, que chamem pra sair, que chamem pra fazer coisas diferentes e que mostrem que a vida não é só aquilo, que a vida pode ser boa, pode ser alegre, que ainda tem muito para ser vivido e ser sentido e que tem alguém ali que se importa. Ela pode estar ali por telefone, estar ali há alguns metros, alguns quilômetros, mas ela está ali e vai sempre atender quando precisar. 

Mas é preciso entender que às vezes é preciso ficar sozinho, a gente precisa recarregar nossas energias, o depressivo ele sente muito, ele sente tudo muito à flor da pele tanto o que é bom quanto o que é ruim, e às vezes a gente só precisa ficar no nosso canto, pensando e isso não é ruim. Mas quando essa ausência, esse silêncio, fica muito constante ele precisa que você perceba que ele já não pode mais ficar sozinho, porque isso já é um sinal de que talvez as coisas estejam indo para um caminho sem volta. Mas não porque ele não ame ninguém, é só porque ele ta carregando um peso muito maior do que ele consegue, e ele já carregou esse peso por tanto tempo que ele já não suporta mais. 

Então quando um amigo seu te pedir por favor vem ficar comigo, me escuta, eu preciso de você, não negue, mesmo que você não possa estar fisicamente, esteja presente de alguma forma. A gente precisa se importar mais, abraçar mais, dizer que ama... a gente precisa muito mais de empatia, a gente precisa se colocar no lugar do outro, mesmo que você nunca tenha vivido isso, que você não saiba o que é depressão, nunca tenha pensado em suicídio, tenta se colocar no lugar do outro, leia mais sobre o assunto, tenta se inteirar. Mas não julgue, não julgue nunca, não questione, não diga que vai passar porque isso tudo só piora nosso estado, só faz aumentar nosso peso, nosso desespero. 

Eu perdi mais um herói, quando o Chester morreu. Eu perdi um amigo, eu perdi uma pessoa que sabia exatamente tudo que eu sentia e meu mundo está ficando cada vez mais vazio de heróis. Já se foi Kurt Cobain, Chris Cornell, Chester, estamos perdendo todos para uma mesma doença que eu luto todos os dias para não deixar me derrubar. Eu não quero ser mais uma e eu não quero que nenhum dos meus amigos sejam. 


Nós precisamos falar sobre depressão e precisamos falar agora! É importante procurar psicólogos que vão nos orientar, psiquiatras que vão nos medicar, é importante pedir ajuda e você querer se ajudar. Não é vergonha admitir que está doente. 

Então vamos fazer um trato? Se algum amigo seu, ou qualquer um que esteja lendo esse texto, precisar conversar, precisar desabafar, precisar de alguém para dividir seu peso, esteja disponível, e se você que tá aí lendo, também quiser me ajudar a carregar o meu peso eu vou ser eternamente grata. 

Vamos fazer essa doença deixar de ser um tabu, vamos nos abraçar galera, vamos nos amar, nos respeitar, sentir um pouco a dor do outro. 

Vamos sentir. 

Abraços, 

Vanessa Viana"

*Vanessa é Consultora de Moda e Produtora e TI, mas antes de tudo isso uma das minha melhores amigas e vai estar presente muitas outras vezes nesse site.

Um comentário :

  1. Você já começou a fazer a coisa certa!
    Alguém precisava dessa sua ajuda.
    Esse texto já deve ter ajudado ou vai ajudar alguém.
    Você pode! Você quer! Você consegue!
    A estrada é essa. Ajudar para se ajudar!
    Sempre vai ter alguém precisando da sua experiência... da sua ajuda... do seu carinho . Do seu amor... esse é o retorno... o AMOR.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.